Cirurgia de catarata
em cães e gatos
  Glaucoma
  Ceratoconjuntivite
seca / ap. lacrimal
  Ceratite ulcerativa
  Conjuntivite
  Tumores palpebrais
  Entrópio/Ectrópio
  Herpesvírus canino e felino
  Uveíte recorrente do equino
  Ceratoconjuntivite bovina
  Síndrome de Horner
  Panuveíte canina(Despigmentação)
  Retinopatias
  Eletroretinografia nos animais
  Distrofias corneais
  Pannus
  Defeitos congênitos
  Seqüestro Corneal Felino
  Glossário Oftalmológico
Defeitos Congênitos em Oftalmologia Veterinária


Proprietários procuram o veterinário ao repararem que os filhotes nascidos em suas casas apresentam anormalidades oftálmicas. Assunto de grande vastidão, será por ora apenas relacionado as patologias ou ocorrências mais comuns. Peço ao aluno interessado que procure literatura especializada que responderá com certeza seus maiores questionamentos.

Afacia ou afaquia: Ausência do cristalino.

Agenesia de Pálpebra: Falta de um segmento da pálpebra sendo usualmente o terço temporal

Anoftalmia : Ausência do globo ocular

Bléfarofimose: Estreitamento da fissura palpebral

Catarata: Opacidades do cristalino de inúmeras etiologias.

Ciclopia: Fusão dos globos oculares em um só desvrita raramente em gatinhos com mãe sob trataemnto de griseofulvina.

Cílio ectópico: Cílios duros e anômalos posicionados na conjuntiva palpebral.

Cistos da íris: Vesículas flutuantes cheias de líquido na câmara anterior. Diag. dif. com melanomas.

Colobomas: Defeitos por agenesia em forma de fenda.(podem ocorrer em quaisquer estruturas oculares)

Corectopia: Pupilas descentralizadas com respostas pobres aos midriáticos.

Defeitos congênitos são comuns na prática clínica veterinária. São problemas originados no útero materno decorrente de falhas no desenvolvimento normal dos tecidos fetais oculares devido a um sem número de causas embriológicas de altíssima complexidade.

Derme cantal aberrante: Invasão da derme nos tecidos conjuntivais bulbares e palpebrais resultando em irritação crônica.

Dermóide: Massas de tecido adiposo, folículos pilosos e glândulas sebáceas que tem tendencia de invadir a córnea a partir do limbo do lado temporal.

Displasia retiniana: Áreas arredondadas ou lineares de descoramento do fundo tapetal levando ao sinal clínico de hiperefletividade.

Distiquíase: Fileira ou carreira extra de cílios emergindo nos orifícios das glândulas de Meibônio.

Entrópio: Desvio por enrolamento das pálpebras pode também ser herdado.

Estrabismo: Posicionamento anormal do globo ocular com desvios de variada magnitude.

Farei nesta prática apostila apenas um lembrete das patologias , caso o leitor queira se aprofundar nesta interessante área da especialidade da oftalmologia veterinária listo ao final livros textos de origem norte americana que decerto elucidarão seus mais profundos questionamentos.

Gôniodisgênese mesodermal: Defeito do ângulo iridocorneal responsável por glaucoma primário em cães da raça Basset Hound. Inexplicavelmente o glaucoma detectável só aparece após os seis mese de idade.

Hemeralopia: Cegueira diurna que afeta os cones da retina, diagnóstico por histórico de normalidade visual noturna e principalmente eletroretinograma.

Heterocromia: Íris apresentando diversas cores diferentes.

Hipoplasia do nervo ótico: Papila ótica afetada apresente metade de seu tamanho natural à fundoscopia.

Humor vítreo primário hiperplásico persistente: Lâmina fibrovascular na parte posterior do cristalino com um pedículo hialóideo aderido, processos ciliares alongados e catarata secundária.

Lenticone: Prolongamento anterior ou posterior em forma de cone do cristalino.

Microcórnea : Córnea de dimensões menores que as normais sem envolvimento de déficit visual.

Microfacia: Cristalino pequeno com os processos ciliares alongados.

Microftalmia: Globo ocular diminuído de tamanho.

Olho de Collie(Collie eye): Lesões incluem hipoplasia do coróide, colobomas do nervo ótico , colobomas da esclera e os descolamentos da retina.

PMP(persistência das menbranas pupilares): Estruturas embrionárias de origem na íris podem permanecer após nascimento ligadas à córnea e ao cristalino sem acarretar problemas.

Triquíase: Cílios anteriormente normais passam a ferir a córnea por cicatrização anômala palpebral ou entrópio.