Cirurgia de catarata
em cães e gatos
  Glaucoma
  Ceratoconjuntivite
seca / ap. lacrimal
  Ceratite ulcerativa
  Conjuntivite
  Tumores palpebrais
  Entrópio/Ectrópio
  Herpesvírus canino e felino
  Uveíte recorrente do equino
  Ceratoconjuntivite bovina
  Síndrome de Horner
  Panuveíte canina(Despigmentação)
  Retinopatias
  Eletroretinografia nos animais
  Distrofias corneais
  Pannus
  Defeitos congênitos
  Seqüestro Corneal Felino
  Glossário Oftalmológico
Ceratoconjuntivite Bovina


A principal doença oftalmológica dos bovinos em incidência e prejuízos para o pecuarista.

Nos EUA calcula-se o prejuízo causado pela moléstia em 250 milhões de dólares . O germe Moraxella bovis é uma bactéria Gram - , diplobacilar , com formas hemilíticas(meses quentes) e não hemolíticas(inverno). Esta segunda forma é não patogênica , mas pode tornar-se malévola sob ação dos raios ultra-violeta. Esses raios solares ultra-violetas são principal fator predisponentes para o desenvolvimento da doença que causa a ceratite e mais uma miríade de lesões oculares.

Outros fatores são raciais com relação direta com a quantidade de pigmentos presentes nas pálpebras , com animais de pelagem alva sendo os preferidos. A maioria dos indivíduos afetados é menor de um ano de idade . Currais não pavimentados com poeira oriunda de moinhos , picadeiras de capim e estradas anexas são importantes fatores irritantes e carreadores da doença . A hipovitaminose do tipo A tambem predispõe , pois acarreta anormalidade epitelial . Irritação mecânica com insetos , grama e pós ,além de aerossóis e medicamentos defensivos. Sua principal transmissão é através de insetos , sendo comum tambem o contato direto de indivíduos doentes , assim como aerossóis e fômites(principalmente dedos sujos de peões e frascos de colírios). As sequelas sào gravíssimas com úlceras, cicratizes e ruptura corneal e descemetocele , hipópio , glaucoma secundário e cegueira . Ao contrério da crença veterinária geral , as tetraciclivas são dos últimos antibióticos tópicos a serem utilizados, sendo tremendamente mais eficiente preparados a base de ampicilina , bacitracina e gentamicina. Costuma-se tratar indivíduos doentes com injeçào subconjuntival de 200.000 ou 300.000 unidades de Penicilina procaína e 0,5 ml de Azium(Dexametasona) . É extremamente eficaz no combate à moléstia alem de possuir um admirável efeito pirotécnico. Alguns veterinários fazem antibióticos sistêmicos , mas eles precisam transpor secreções e neovascularizações corneais. Sulfas(Sulfametazina) e Oxitetraciclina a 20 mg/kg de 12 em 12 horas com intervalo de três dias . As perdas são enormes e voce pode controlar a doença eliminando vetores(principalmente moscas) , diminuindo ou eliminando poeira e picadeiras , isolando doentes aperfeiçoando zootecnicamente a raça com aumento de pigmentaçào palpebral, diminuindo ensolação de indivíduos susceptíveis e mantendo alto nível de vitamina A . Nos EUA existem duas exelentes vacinas Bov eye(Norden) e Piliguard(Schering) , duas doses com intervalos de 21 dias , dois meses antes da estação da doença(verão).