Cirurgia de catarata
em cães e gatos
  Glaucoma
  Ceratoconjuntivite
seca / ap. lacrimal
  Ceratite ulcerativa
  Conjuntivite
  Tumores palpebrais
  Entrópio/Ectrópio
  Herpesvírus canino e felino
  Uveíte recorrente do equino
  Ceratoconjuntivite bovina
  Síndrome de Horner
  Panuveíte canina(Despigmentação)
  Retinopatias
  Eletroretinografia nos animais
  Distrofias corneais
  Pannus
  Defeitos congênitos
  Seqüestro Corneal Felino
  Glossário Oftalmológico
Ceratite Ulcerativa


A córnea dos animais é formada basicamente por 4 camadas: Epitélio , estroma , menbrana de Descemet e endotélio. As úlceras corneais são soluções de continuidade de uma ou mais camadas da córnea ocasionadas por traumas físicos , químicos , infecciosos e etc...

Podemos classificar as úlceras pela profundidade da lesão : Úlceras superficiais quando vemos envolvido somente o epitélio corneal , úlceras profundas quando ocorre o envolvimento da camada estromal , descemetocele quando chega à menbrana de Descemet e ruptura ou perfuração corneal. Ao chegarmos à fase de ruptura em seguida teremos prolapso da íris pela ferida , vemos ainda outras estruturas intra-oculares se apresentando e subsequente desenvolvimento de endoftalmite.

Todo o tratamento de qualquer tipo de ulceração corneal começa a partir de sua provável etiologia.

Temos nas causas mecânicas as abrasões , os corpos estranhos , queratites de exposição , os entrópios , as alterações de cílios como as triquíases , as distiquíases e os cílios ectópicos. Nas causas infecciosas temos as infecções bacterianas , micóticas e virais. Temos ainda queratoconjuntivites secas , queratopatias bolhosas , queratopatias neurotróficas( paralisia de um ramo do nervo trigeminal). Praticamente todo animal com úlcera corneal tem dor, blefaroespasmos , epífora , descarga ocular purulenta , fotofobia , miose , edema corneal , perda da transparência da córnea . Toda a vez que houver algumas das condições acima é inprescindível se colorir o olho com tintura de fluoresceína. A fluoresceína possui solubilidade aquosa e se difunde e se fixa em meio aquoso. A camada corneal que possui solubilidade aquosa é a segunda camada , denominada estroma corneal. Em equinos de salto ou corrida é comum queratites de etiologia fúngica cicatrizarem mantendo uma mancha clara (leucoma ) extremamente dolorosa e fluoresceína negativa. Após o diagnóstico diferencial é necessário fazer-se um transplante corneal penetrante a fim de curar o problema. Alguns transplantes a maioria sofre rejeição mesmo sob Ciclosporina tópica acarretando perda da transparência no local do transplante porém o animal permanece sem dor o que por si só já é o sufiente para se tentar a cirurgia. As queratites fúngicas tem que sofrer tratamento com drogas tópicas antifúngicas como Pimaricina ou Miconazole. Culturas para identificação de microorganismos são por vezes necessárias. Dou sempre preferência a utilização de antibióticos aminoglicosídeos pois por vezes (a maioria ) temos envolvimento de Pseudomonas aeruginosa. Esta bactéria associada à normal cicatrização produzem ambas substâncias químicas conhecidas como proteases e tambem colagenases.Enzimas estas que digerem os tecidos e criam a figura comum em oftalmologia veterinária conhecida como "melting cornea " que quer dizer derretimento pois o que ocorre é a liquefação dos tecidos. Os corticosteróides tópicos potencializam enormemente essas substâncias , diminuem a força da cicatrização , da regeneração epitelial , endotelial e atividade fibroblástica.

As úlceras corneais devem ser tratadas conforme sua severidade. Os meios de tratamento cirúrgicos incluem uma variada gama de procedimentos que incluem , tarssorrafia , cobertura com retalhos de menbrana nictante transposições corneoesclerais e cobertura com retalhos de conjuntiva. Nunca deixe de usar fluoresceína em olhos doloridos e reacionais. Trate as úlceras conforme sua gravidade sempre lançamdo mão caso necessário de recursos cirúrgicos que podem salvar o olho de um paciente seu.