História Do Xadrez Moderno
Paul Morphy 4ª Parte

por Pedro Alcântara

O maior triunfo de Morphy aos olhos do público foi uma exibição de olhos vendados no Régence, quando enfrentou simultaneamente oito dos mais fortes jogadores de Paris.A notícia dessa exibição causou terrível excitação.Ninguém acreditava que mesmo esse gênio do xadrez pudesse, sem ver os tabuleiros, enfrentar com êxito oito jogadores com fôrça quase de mestres. Todos os jornais haviam anunciado que o espetáculo começaria ao meio-dia, mas as salas de jogo do café encheram-se com muita antecedencia. Dominando todos os demais, estava a enorme figura de "Père" Morel, um forte amador e frequentador do café, que era um dos mais ardorosos admiradores de Morphy e responsável pela organização da disputa.Muito preocupado, ele perguntou a Edge se Morphy sabia que os oito jogadores com quem se defrontaria eram realmente dos mais fortes que se podiam encontrar em Paris. Temia um fiasco completo. Os garçons haviam isolado com cordas um espaço para uma grande poltrona, na qual Morphy se sentou confortavelmente. Dois diretores do clube de xadrez anunciavam os lances de seus adversários e as respostas dadas por Morphy. A excitação atingiu um auge quando o jovem americano passou dos lances iniciais para o meio da partida, tabuleiro após tabuleiro, sem cometer um único erro. "Père" Morel, soprando nuvens de seu imenso cachimbo como a fumaçã do Vesúvio, abria caminho entre os tabuleiros, acompanhando cada partida com crescente espanto, e mostrava-se positivamente furioso quando alguém lhe perguntava o que pensava daquilo tudo.Ao entardecer, vendo-o sentado no fundo da sala, evidentemente assombrado pela realização, Edge disse-lhe:"Bem, Sr. Morel, acredita agora que Morphy pode jogar contra oito adversários desses ? Ergueu a cabeça com ar súplice e respondeu: "Por favor, não fale comigo. O Sr.Morphy me faz doer a cabeça." Dois dos jogadores conseguiram o empate. Os outros foram derrotados, um após outro, até restar finalmente apenas "Mounsieur" Seguin, um dos mais fortes amadores da França.Havia declarado abertamente que não acreditava ser possível a alguém derrotá-lo sem ver o tabuleiro.Finalmente, porém, Morphy venceu-o num belo final de Peão e obrigou-o a desistir. Edge descreve dramaticamente o efeito sobre a multidão:"Imediatamente teve início uma cena como eu dificilmente espero testemunhar de novo. Morphy levantou-se da poltrona na qual permanecera quase imóvel durante dez horas consecutivas, sem tomar absolutamente nada, nem mesmo água, durante o tempo todo; apesar disso, estava aparentemente tão descansado como quando se sentara.Os ingleses e americanos, dos quais havia numerosos presentes, emitiram retumbantes aplausos anglo-saxônicos e os franceses acompanharam, ao mesmo tempo que toda a multidão avançou em direção a nosso herói.Os garçons do café haviam tramado uma conspiração para carregar Morphy em triunfo sobre seus ombros, mas a multidão era tão compacta que não puderam aproximar-se dele e tiveram finalmente de abandonar a tentativa.Grandes indivíduos barbudos agarravam suas mãos e quase arrancavam seus braços. Transcorreu quase meia hora antes que ele pudesse sair do café."Père" Morel abriu passagem a força através da multidão e finalmente chegamos à rua. Lá, a cena se repetiu: a multidão era maior fora do que no café e os gritos, se possível, eram mais ensurdecedores.Encaminhamo-nos para o Palais Royal, mas a multidão seguiu-nos e , quando chegamos à casa de guarda da Guarda Imperial, sergents de ville e soldados saíram correndo para ver se uma nova revolução estava em progresso." Todos os jornais de Paris passaram a escrever sobre Morphy. Com os jornais ilustrados publicando retratos seus e com inúmeros artigos a seu respeito nos diários, ele começou a ficar famoso.Saint-Amant escreve que Morphy satisfez uma necessidade havia muito tempo sentida por Paris: a necessidade de um herói.O conhecido escultor Lequesne, forte amador de xadrez que fora um dos oito adversários de Morphy na exibição de olhos vendados, fez seu busto, com tanto amor e entusiasmo a ponto de produzir uma obra-prima que toda Paris procurava ver para cirticar e elogiar.Toda essa notoriedade logo começou a causar excitações nos saloons da sociedade francesa.Repentinamente, duquesas e princesas pareceram lembrar-se de que haviam aprendido a jogar xadrez.Damas da nobreza faziam cair uma chuva de convites sobre Morphy, que foi requestado como poucos jovens antes dele haviam sido. Entre os nobres, conheceu alguns inveterados amadores de xadrez, como o Duque de Brunswick e os Condes Isouard e Casabianca, cuja força no jogo era muito superior à média.Sua Alteza Real, o duque, tinha verdadeira mania pelo jogo e não passava sem um tabuleiro mesmo em seu camarote na ópera italiana, onde Morphy foi muitas vezes como seu convidado.Uma partida entre Morphy e Brunswick, com o Conde Isouard como consultor - uma das jóias conhecidas por todos os aficionados do xadrez - foi jogada naquele camarote durante uma apresentação na "Norma".Morphy gostava apaixonadamente de música e teria preferido assistir à ópera a prestar atenção à partida de xadrez.Todavia, o duque e o conde ficaram voltados para o palco - o camarote era quase sobre ele - embora nem sequer olhassem para os intérpretes.Assim, Morphy, sentado diante do duque, voltava as costas para o palco, para seu grande desgosto e para satisfação de todos os amantes do xadrez. É triste pensar que os triunfos de Morphy na Europa representaram a única felicidade que um destino injusto reservara para ele. Quando regressou aos Estados Unidos, recebeu grandes ovações em toda parte, mas logo verificou - como Philidor, cem anos antes - que as pessoas não acreditavam que um grande artista ou um grande mestre de xadrez pudesse ser bom em outra profissão. Os mesmos homens que orgulhosamente o saudavam como a glória de Nova Orleãs abandonaram-no completamente quando desejou estabelecer-se como advogado, embora tivesse abandonado completamente o xadrez e se dedicado exclusivamente a completar seus preparativos para uma carreira jurídica. O choque dessa descoberta foi muito intensificado pela atitude de uma atraente jovem da sociedade de Nova Orleãs, por quem ele se apaixonara, e que recusou casar-se com "um mero jogador de xadrez". Morphy não era um lutador.A atitude desatenciosa e cruel do mundo oprimiu tanto seu espírito que, pouco a pouco, ele ficou mentalmente perturbado.Adquiriu uma mania de perseguição e raramente saía da casa de sua mãe, a não ser para dar um passeio ao longo da Canal Street, a avenida que separa o bairro creole de Nova Orleãs do resto da cidade.Nessas ocasiões , às vezes fitava moças bonitas que passavam e segredava-lhes algumas palavras nos ouvidos.Meu bisavô , pai de meus avós paternos nesta ocasião morou em Nova Orleãs e contava que via Morphy com frequencia nas ruas daquela cidade, sempre impecavelmente vestido, e sentia-se penalizado porque ele nunca sorria, sofrendo aparentemente de uma grande tristeza.Certa vez, fê-lo parar e segredou-lhe alguma coisa a respeito de um Bispo, sem dúvida um lance de uma peça de xadrez. Morphy morreu aos quarenta e sete anos de idade, em resultado do que foi provavelmente um acidente. Depois de andar sob o sol quente, tomou um banho frio e foi encontrado morto na banheira.

Voltar