sistema digestivo (digestório)

            O sistema digestivo é o órgão que tem como objetivo transportar o alimento, fazer este alimento entrar em contato com as enzimas digestivas e por fim absorver este alimento através de suas células epiteliais e eliminar o material não aproveitado através das fezes.

           É para auxiliar no processo de digestão e absorção que existem as glândulas anexas. São elas : as glândulas salivares, o fígado e o pâncreas que por meios de ductos eliminam suas secreções em determinadas partes do tubo digestivo.

            São partes do tubo digestivo a boca, o esôfago, o estômago, duodeno, jejuno, íleo, ceco, cólon ascendente,  cólon transverso, cólon descendente, cólon sigmóide, reto e canal anal.

BOCA

             A boca é a primeira parte do tubo digestivo e comunica-se anteriormente com o meio externo através da rima oral, que é limitada pelos lábios, e continua-se posteriormente com a oro-faringe através do istmo das fauces. Lateralmente a boca é limitada pelas bochechas que é uma formação muscular e gordurosa, o assoalho da boca é formado pelo diafragma oral e pela língua e finalmente o teto da boca é separado da cavidade nasal pelo palato duro e pelo palato mole.

             A boca deve ser dividida internamente em duas partes: vestíbulo oral e cavidade oral propriamente dita, sendo o vestíbulo limitado externamente pelos lábios e bochechas e internamente pelos dentes e gengivas. Por outro lado a cavidade oral propriamente dita está entre as arcadas dentárias superior e inferior.

LÍNGUA

            A língua é um órgão muscular que auxilia na mastigação, na deglutição e na articulação da palavra sendo que em sua superfície existem papilas gustativas que fazem a identificação entre os diferentes tipos de sabores.

            A língua possui um ápice, um dorso que é sua face superior, e duas margens laterais, sendo sua superfície inferior denominada assoalho e sua inserção na boca chamada raiz da língua.

            As papilas linguais são de quatro tipos: papilas filiformes, fungiformes, foleadas e valadas sendo as últimas localizadas na base da língua formando um V denominado V lingual. Logo atrás do V localiza-se o forame cego da língua que é o local onde a tireóide inicia o seu desenvolvimento.

 GLÂNDULAS SALIVARES

             As glândulas salivares são as responsáveis pela formação da saliva e esta tem a função de lubrificar a boca, proteger ela de bactérias e micro-organismos, e também a função digestiva que é feita pela enzima ptialina ao digerir o amido.

            São três os tipos de glândulas salivares: parótida, sub-lingual, e sub-mandibular

            A parótida elimina sua secreção no vestíbulo oral e as duas outras o fazem na cavidade oral propriamente dita.

 DENTES

             Os dentes são estruturas com a função de triturar, e cortar o alimento. Prendem-se aos maxilares através dos alvéolos dentários e são divididos em raiz, é a parte que fica implantada no alvéolos, colo, e finalmente coroa que é a parte externa do dente.

             Os dentes começam a surgir próximo aos 6 meses como dentes decíduos que são em número de 20 e estes são completamente substituídos pelos  dentes permanente próximo dos 12 anos de idade, sendo variável este período. São 32 os dentes permanentes sendo que a cada lado de uma arcada existe 2 dentes incisivos, 1 canino, 2 pré-molares, e 3 molares.

 ESÔFAGO

             O esôfago é um órgão muscular que tem a função de transportar o alimento da faringe até o estômago através de movimentos peristálticos e da ajuda da gravidade.

             Ele possui aproximadamente 30 cm de comprimento e desce desde da região cervical, passando pelo tórax e finalmente alcançando o abdome,sendo que localiza-se atrás da traquéia, cruza posteriormente o arco da aorta e também o brônquio principal esquerdo.

            Há 4 regiões onde o esôfago é mais estreitado: no seu início, quando ele cruza o arco da aorta, quando está atrás do brônquio principal esquerdo e finalmente quando atravessa a abertura do diafragma.

ESTÔMAGO

             O estômago é uma continuação do esôfago e a região onde o esôfago junta-se com o estômago chama-se cárdia. Já o fundo gástrico é a parte do estômago que esta acima da entrada do esôfago no estômago e geralmente está com uma quantidade de ar que é de mais ou menos 50 ml que é vista ao RX. O corpo do estômago é a parte que está abaixo do fundo e continuará com o piloro que por sua vez é dividido em antro e canal pilórico.

            A forma do estômago é mais ou menos a da letra J, ele possui uma abertura proximal (esfíncter esofagiano inferior) e outra abertura distal (esfíncter pilórico), tem duas paredes sendo uma anterior e uma posterior que juntam-se nas curvaturas maior e menor do estômago.

            A função do estômago é preparar o alimento para então liberá-lo no duodeno na forma de uma mistura pastosa denominada quimo e isto é feito através da ação do ácido clorídrico e da enzima que digere as proteínas(pepsinogênio).

 INTESTINO DELGADO

             A maior parte da digestão ocorre no intestino delgado, principalmente no jejuno, e por isso ele tem uma grande superfície de absorção tendo um comprimento de mais ou menos 7 metros e pregas em toda a sua extensão assim como vilosidades.

            O intestino delgado inicia-se no piloro atravessa o duodeno, jejuno e íleo, terminando na valva íleo-cecal

        DUODENO

             O duodeno tem este nome porque ele possui aproximadamente o comprimento de 12 dedos, tem normalmente a forma de um C, com a concavidade envolvendo a cabeça do pâncreas.

            Ele possui quatro partes: a primeira parte corre para a direita e para trás como uma continuação do estômago,esta é a porção superior. Já a segunda parte que é chamada de porção descendente recebe os ductos que chegam do fígado e do pâncreas, a terceira parte chama-se porção inferior e esta corre para a esquerda até próximo da coluna vertebral e continua-se com a quarta parte que denomina-se porção ascendente até unir-se com o jejuno na flexura duodeno-jejunal.

         JEJUNO E ÍLEO

             Estas duas últimas partes do intestino delgado é formada por um tubo longo e convoluto por alças intestinais, sendo que os 2/5 iniciais constituem o duodeno e os 3/5 distais formam o jejuno. O duodeno inicia-se na flexura duodeno-jejunal e o íleo termina na valva íleo cecal.

            Eles estão fixados na parede posterior do abdome por uma dupla prega de peritônio denominada mesentério. O mesentério tem a forma de um leque e este “leque”dá maior mobilidade a esta parte do tubo digestivo.Existem algumas diferenças entre o jejuno e o íleo porém é muito difícil distinguir a parte final do jejuno da parte inicial do íleo.

 INTESTINO GROSSO

             O intestino grosso é dividido em: ceco e apêndice vermiforme, cólon ascendente, cólon transverso, cólon descendente, sigmóide, reto e canal anal.

            As principais função do intestino grosso é a de formação, transporte e evacuação das fezes e por isso ele é dotado da capacidade de absorção e secreção de muco.

             O intestino grosso tem como características externas bolsas que são denominadas haustros, possui também acúmulos de gordura que são os apêndices epiplóicos e por fim fitas de músculos lisos denominadas tênias cólicas.

      CECO

             O ceco é a parte do intestino grosso que esta abaixo da entrada do íleo. Ele possui duas aberturas que são para o apêndice epiplóico e para o íleo, sendo que na abertura para o íleo existe uma valva, composta por dois lábios, e que evita, por exemplo a passagem de contrastes radiopacos para o íleo.

        APÊNDICE VERMIFORME

          O apêndice vermiforme tem mais ou menos 10 cm de comprimento, é um órgão oco e muscular que possui em sua mucosa tecido linfóide. Por isso é que ele tem função de defesa contra micro-organismos neste local do tubo digestivo.

          Sua inflamação é denominada apendicite e esta deve ser tratada precocemente.

        CÓLON ASCENDENTE

         O cólon ascendente é a continuação superior do ceco e termina-se na flexura cólica direita(flexura hepática), e possui em seu interior pregas características do intestino grosso denominadas semi-lunares.

        CÓLON TRANSVERSO

        O cólon transverso inicia-se na flexura cólica direita e termina na flexura cólica esquerda(flexura esplênica). É um local onde as fezes normalmente ficam acumuladas e por isso ele pode ser encontrado até mesmo na altura da pelve.

        CÓLON DESCENDENTE

          É o mais estreito dos cólons e por isso que tumores ai localizados causam obstrução intestinal com grande freqüência. Ele inicia-se na flexura cólica esquerda e termina no cólon sigmóide.

        CÓLON SIGMÓIDE

         O cólon sigmóide tem a forma de um S. Ele corre da esquerda para a direita tendo também um componente anterior e depois um componente posterior terminando finalmente no reto. É local onde as fezes também encontram-se acumuladas.

  RETO

             O reto é a parte final do tubo digestivo e termina-se no canal anal. Ele possui geralmente 3 pregas em seu interior e é uma região bem vascularizada. Pode ser avaliado através do toque retal, retoscopia ou retosigmoideoscopia. É no canal anal que ocorrem as hemorróidas que nada mais são que varizes nas veias retais inferiores.

FÍGADO

             O fígado possui várias funções no corpo humano das quais podemos destacar as de produção de bile, detoxificação de produtos da alimentação, formação de células sanguíneas no feto, armazenar vitaminas, e participar do metabolismo intermediário com sua capacidade de armazenar glicose.

            Ele é dividido externamente pelo ligamento falciforme em lobos direito e esquerdo porém a divisão verdadeira é feita em uma linha que passe pela região da vesícula biliar. Possui uma superfície superior que esta em contato com o diafragma e uma superfície inferior que está em contato com as vísceras do abdome. Ao contrário do que ocorre no pulmão, o fígado não é dividido internamente por septos, e sua divisão em 8 segmentos é dada pelas ramificações dos vasos dentro do parênquima hepático.  

   O estudo da anatomia funcional permite a Segmentação Hepática baseada na distribuição dos pedículos porta e a localização das veias hepáticas. O fato de a ligadura dos ramos venosos terminais provocar necrose do parênquima hepático drenado por estas veias , apesar do fluxo mantido pela veia porta e pela artéria hepática, demonstra a importância das veias hepáticas e a necessidade de considerá-las na hora da divisão segmentar.

           

PÂNCREAS

             O pâncreas é um órgão tanto endrócrino como exócrino por possuir dois tipos de secreção, sendo sua secreção endócrina a insulina e o glucagom e sua secreção exócrina feita pelas enzimas digestivas que serão eliminadas na segunda porção do duodeno e auxiliarão no processo de digestão.

            Ele pode ser dividido em quatro partes: cabeça, colo, corpo e finalmente calda.

            A eliminação de suas enzimas é feita pelos ducto pancreáticos principal e ducto acessório que terminam na segunda porção do duodeno em duas estruturas denominadas respectivamente papila maior e menor do duodeno.

VESÍCULA BILIAR

             A vesícula biliar tem a função de armazenar e concentrar a bile que é formada no fígado. Ela possui quatro partes que são o fundo, corpo, colo e um sifão que continua-se com o ducto cístico.

            A bile alcança a vesícula através do ducto hepático comum que sai do fígado. A união do ducto hepático comum com o ducto cístico forma o ducto colédoco e este finalmente eliminará a bile na segunda porção do duodeno, na papila maior.